Chaves Codificadas
 
Desde 1995, os automoveis estão vindo com chaves codificadas. O que isso significa? As chaves automotivas estão vindo com um transponder / chip inserido na sua cabeça plastica. Esse transponder se comunica via RF com a centralina do veiculo que autoriza ou não a ligar o veículo.

Os transponders podem ser com codigos fixos ou criptografados. Os transponders fixos podem ser copiados com a máquina RW2 desde que se tenha uma chave original. Já as chaves com transponders criptografados podem ser habilitadas mediante o uso de um aparelho (SDD) ligado diretamente no carro e em comunicação com o imobilizador do mesmo e tendo o PIN fornecido pelas concessionárias.

Hoje, aproximadamente 62% dos veículos possuem chaves com código fixo e 33% com transpoders criptografados. A tendência é que em alguns anos todas as chaves venham com transponders cripto.

Estes equipamentos fazem a leitura dos códigos das chaves.

 
Chaves comTransponder
 
Desde 1995, os automoveis estão vindo com chaves codificadas. O que isso significa? As chaves automotivas estão vindo com um transponder / chip inserido na sua cabeça plastica. Esse transponder se comunica via RF com a centralina do veiculo que autoriza ou não a ligar o veículo.
 
Os transponders podem ser com codigos fixos ou criptografados. Os transponders fixos podem ser copiados com a máquina RW2 desde que se tenha uma chave original. Já as chaves com transponders criptografados podem ser habilitadas mediante o uso de um aparelho (SDD) ligado diretamente no carro e em comunicação com o imobilizador do mesmo e tendo o PIN fornecido pelas concessionárias.

Hoje, aproximadamente 62% dos veículos possuem chaves com código fixo e 33% com transpoders criptografados. A tendência é que em alguns anos todas as chaves venham com transponders cripto.

----------------------------------------------------------------------------

CONHEÇA ALGUNS SISTEMAS

Citroën

A particularidade do sistema está na tecnologia chamada de anti scanning. Roberto Silva Jr., gerente comercial da montadora, explica que se forem usadas várias chaves mecanicamente corretas, mas não reconhecidas pelo sistema, a central eletrônica bloqueia o carro mesmo assim.
Para liberar, só na concessionária.

Audi

Mudança na posição da central que dialoga com a chave, da coluna de direção para o painel. Outra novidade do sistema de imobilização, que começa a equipar os modelos em breve, está na sofisticação do sistema de desbloqueio. Hoje quando há necessidade de liberação da central, a concessionária deve pedir a autorização para a matriz na Alemanha. Com o novo sistema toda a comunicação entre a central do carro e a fábrica será feita eletronicamente.

Ford

A diferença está na forma como é feita a troca de dados. A chave só manda informações para a central eletrônica (que por sua vez libera a unidade de comando da injeção) depois que já foi colocada no tambor, isso impede o rastreamento do código utilizado na comunicação entre as unidades.

Renault

Protege os veículos com o bloqueio da ignição por meio do sistema chamado Transponder. Dentro da chave há um código eletrônico que é reconhecido por uma central que fica no carro. Para cada chave há um código individual.

Peugeot

Estão equipados de um Calculador de Controle do Motor (CCM) e uma Caixa de Serviços Inteligentes (CSI) que integra a função transponder. Os modelos mais recentes utilizam o sistema transponder de segunda geração, que usa sinais criptografados e possui uma função chamada anti scanning que evita a identificação desse sinal.

Chevrolet

O imobilizador oferecido pela marca troca sinais eletrônicos com a chave e também com o módulo de controle do motor. Tais sinais são modificados a cada partida do motor, reduzindo a chance de roubo do veículo. Lançamentos da Chevrolet, como o novo Corsa e o Meriva, vêm com outros módulos de proteção eletrônica, além do já citado.

Fiat

Passou a usar imobilizador eletrônico em 1993, com o lançamento do compacto Palio. No sistema, a chave tem um chip com código — o Fiat Code — que se comunica com a ignição. O código muda cada vez que o motorista retira a chave.

Volkswagen

Utiliza imobilizadores eletrônicos de 3ª geração. Geraldo Costa, instrutor de treinamento da montadora, diz que o sistema é criptografado. No painel, existe uma unidade de comando do processo. E na chave há um transponder, um chip. Quando a chave é colocada na ignição, o código passa para o painel de instrumentos, verificando se a chave é a original. Essa unidade analisa e manda um outro código para o transponder fazer um cálculo para saber se o número da chave combina com o que a unidade tem programado.
O código muda cada vez que o motorista liga o carro.